432 Hz x 440 Hz

432hz-vs-440hz-water

Hoje, praticamente todos os instrumentos e e todas as músicas que escutamos estão afinadas na frequência 440 Hz (vibrações por segundo – afinal, som é uma vibração). Mas não foi sempre assim. Na época de Mozart, Verdi e todos os outros compositores até o início do século XX, a frequência usada para afinação na música era de 432 Hz. Era uma frequencia perfeita, harmônica, já que é a mesma frequência do universo.

A frequência 432 Hz utiliza a fórmula Pi, conhecida como regra de ouro. É capaz de reproduzir de forma natural a “espiral musical pitagórica”. É a sequência seguida por toda forma de vida. Está em ressonância com cada célula de nosso corpo. É a frequencia dos batimentos cardíacos. Estimula a produção de serotonina e o lado direito do cérebro. Essa é a frequência de afinação dos violinos Stradivarius que, não por acaso, soam muito melhor do que os violinos convencionais. Está de acordo com padrões matemáticos perfeitos. Por exemplo: como convenção, utiliza-se o Lá como base de afinação, sendo que a afinação das outras notas são uma consequência. Nessa afinação, a frequência do Dó, nas diferentes oitavas, segue uma progressão da potência de 2:

128 Hz = 27
256 Hz = 28
512 Hz = 29

Então, por estar de acordo com o universo e suas leis, a frequência 432 Hz inspira paz, lógica, harmonia, perfeição e universalidade.

Em 1939, houve um decreto na Europa para mudar a afinação de 432 Hz para 440 Hz. Uma frequência dissonante com o universo. Que, por isso, pode gerar os efeitos contrários à afinação 432 Hz: distorções, inadequação, podendo inspirar caos social, estresse e até guerras. Quem proclamou essa mudança foi Joseph Goebbels, o ministro da propaganda na Alemanha nazista, exercendo severo controle sobre as instituições educacionais e os meios de comunicação.

Anos depois, em 1953, o decreto de Goebbels foi aprovado pelo ISO (Organização Internacional de Padronização), e passou a servir para todo o mundo, dominando os instrumentos, as orquestras e a indústria fonográfica. Então, hoje, quando você escuta um Mozart, ou um Bach, está escutando em uma frequência diferente daquela em que foi escrita.

Dá para ter uma noção da diferença das frequências no vídeo abaixo. A música tocada na versão 432 Hz parece muito mais harmônica e perfeita. Já a mesma música tocada em 440Hz gera uma certa aflição.

Aqui, você consegue baixar um editor para converter suas músicas para 432 Hz.

Hoje em dia, há diversos músicos e institutos lançando movimentos para se voltar ao padrão de afinação de 432 Hz.

Encontramos a frequência 432 Hz  nos seguinte itens:

  • No coração humano (ritmo cardíaco),
  • Na frequência de replicação do DNA,
  • No máximo funcionamento cerebral (sincronia entre os dois hemisférios),
  • Na frequência fundamental da Terra, 8 Hz – ressonância de Schumman,
  • Na geometria musical da criação.

Então, na próxima vez em que o U2 quiser lançar uma música pela paz, é bom começar compondo na frequência 432 Hz.

P.S.: O post foi dica do Saulo, operador da B Sound Thinking.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s